Vá para o Tibet.
Monte em um camelo.
Leia a bíblia.
Pinte seus sapatos de azul.
Deixe a barba crescer.
Dê a volta ao mundo numa canoa de papel.
Assine The Saturday Evening Post.
Mastigue apenas com o lado esquerdo da boca.
Case-se com uma perneta e se barbeie com uma navalha.
E entalhe seu nome no braço dela.
Escove os dentes com gasolina.
Durma o dia inteiro e suba em árvores à noite.
Seja um monge e beba chumbo grosso e cerveja.
Mantenha sua cabeça dentro d’água e toque violino.
Faça uma dança do ventre diante de velas cor-de-rosa.
Mate seu cachorro.
Concorra à prefeitura.
Viva num barril.
Rompa sua cabeça com uma machadinha.
Plante tulipas sob a chuva.

Mas não escreva poesia.

Charles Bukowski

6221

“Tem horas que é caco de vidro
Meses que é feito um grito
Tem horas que eu nem duvido
Tem dias que eu acredito.”

Paulo Leminski 

1426

Vaga-lumes
trazem à tona
novos escuros

201

“Na cama, à noite, enquanto penso em meus muitos pecados e em meus defeitos exagerados, fico tão confusa pela quantidade de coisas que tenho que analisar que não sei se rio ou se choro, dependendo do meu humor. Depois durmo com a sensação estranha de que quero ser diferente do que sou, ou de que sou diferente do que quero ser, ou talvez de me comportar diferente do que sou ou do que quero ser.”

O Diário de Annie Frank. 

2260

“Ser meticulosamente leve e solto, capaz de divagar sem lógica sobre o universo e seus espaços vagos. Você seria capaz de acreditar na piedade, no perdão? E quem sabe um dia no silêncio noturno dos pensamentos, com os olhos pregados no céu e as palmas no chão, descobrir, por um mero acaso, a origem dos anéis de saturno. Sim, os teus olhos partiram, eram feitos de mel. Eu posso ver a tua iris dourando a imensidão que nos encara e sangra, escancara nossa ínfima existência, terrena, inócua, finita. E se multiplicássemos o amor? Será que nos tornaríamos mais humanos? Acredite, nossa previsibilidade e dependência do outro é absurda. Nossa necessidade de companhia, uma derrota irremediável. O segredo está na graça da vida! No humor, no aroma suave e doce da margarida. Não me fale de confiança e jamais ouse soletrar a palavra traição. Se pararmos por um segundo perceberemos que somos todos feitos da mesma matéria, que sonha, que chora, que morre e se recolhe ao fundo de nós. Não somos donos de nada.”

Elisa Bartlett  

2640

“O essencial sempre fica no fundo, esmagado pela superficialidade.”

Caio F. Abreu - Limite Branco

213

“De volta à realidade, o sonhador se vê desiludido, em um quarto escuro e sujo, e diz: “Talvez a culpa de tudo isso fosse aquele raio de sol que de súbito surgiu por entre as nuvens, para logo depois voltar a esconder-se por detrás de outra ainda mais escura, que anunciava chuva, de tal maneira que todas as coisas se tornaram ainda mais lúgubres e mais sombrias…”

Fiódor Dostoiévski 

305

“Havia um tempo de cadeira na calçada.
Era um tempo em que havia mais estrelas.
Tempo em que as crianças brincavam sob a clarabóia da lua,
e o cachorro da casa era um grande personagem.
E também o relógio da parede!
Ele não media o tempo simplesmente: Ele meditava o tempo.”

Mario Quintana

339

“(…) e me ocorreu que todo mundo sofria continuamente, incluindo aqueles que fingiam não sofrer.”

BUKOWSKI, Charles. Ao Sul de Lugar Nenhum - Dr. Nazi 

2020

eu quero ver você cuspindo ódio 

eu quero ver você fumando ópio 

eu quero ver você chorar veneno 

eu quero beber do seu café pequeno 

eu quero medir a altura do tombo

quero isso, seja lá o que isso for

82
864
holocaustum:

Caio Fernando Abreu.

holocaustum:

Caio Fernando Abreu.

Céu

Gosto mais,

quando as estrelas brilham no céu da tua boca

do que no infinito inalcançável do universo!

.

-claus nardes-

107

arranque a casca da ferida

e veja o que nunca vê através do espelho… tua verdadeira cara te assusta?

387

“Ainda não me acostumei com o mundo.
Nascer às vezes leva uma vida inteira.”

Bárbara Matoso 

14414

Silêncio

Acho que nunca escrevi sobre o silêncio…

.

.

.

.

.

.

.

.

Só, sob ele.

.

-claus nardes-

374
THEME